Município de Constantina decreta Situação de Calamidade Pública em razão do desabastecimento de combustíveis

Nesta segunda-feira 28, no Plenário da Câmara de Vereadores, foi realizada uma reunião entre o Poder Executivo Municipal, Legislativo, Cooperativas de Produção, Entidades Representativas e Lideranças, com o objetivo de avaliar a situação de Constantina frente à crise dos combustíveis que está afetando todo o país.

Na oportunidade, as entidades e lideranças  presentes se mostraram solidárias  ao movimento dos caminhoneiros que lutam contra os aumentos de preços nos combustíveis, mas ao mesmo expressaram a sua preocupação com os diversos serviços que estão sendo afetados, o que tem causado transtornos e prejuízos em importantes setores da nossa comunidade.

Uma das preocupações levantadas pelas cooperativas de produção e pelo Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STR) é em relação ao  setor leiteiro, tendo em vista que desde o dia 23 de maio não está sendo realizado o recolhimento de leite em função da falta de combustível, o que tem causado prejuízos diretos para os agricultores e para as cooperativas. Também estão sendo afetados os setores da suinocultura e avicultura, devido a falta de abastecimento de ração e medicamentos, além do plantio de culturas de inverno e o escoamento de soja.

Além disso foi constatado que os postos de combustíveis do nosso município encontram-se desabastecidos e, caso a situação não se normalize nos próximos dias, serão comprometidos vários serviços básicos para a população como, por exemplo, a coleta do lixo, o transporte escolar e os transportes na área da saúde. Também foi relatado que alguns itens básicos já se encontram em falta no comércio local.

Tendo em vista as diversas situações apresentadas pelas entidades presentes na reunião e seguindo orientação da Federação de Associações de Municípios do Rio Grande do Sul – FAMURS, o Prefeito Municipal decretou Situação de Calamidade Pública em razão do desabastecimento de combustíveis.

Entre outras medidas, o decreto prevê que a partir de hoje, 28/05, caso a situação não se normalize, ficam suspensas as obras que necessitam de máquinas da frota municipal, exceto às de caráter emergencial. Também serão priorizados os serviços de transportes essenciais na área da saúde, sendo que os veículos oficiais serão utilizados apenas para casos de urgência e emergência. O decreto fica em vigor até que a situação do desabastecimento seja revertida.

Além de oficializar o decreto de calamidade pública, a reunião também encaminhou a criação de um Comitê Permanente de Avaliação da Crise, formado por representantes do Poder Executivo, Legislativo, Cooperativas, STR e ACISAC. O comitê tem a função de avaliar o desdobramento da situação, contribuindo para tomar as medidas administrativas necessárias e manter a população informada.

Compartilhe